domingo, 14 de fevereiro de 2016

RELATO SOBRE O III ENCONTRO PEDAGOGIA E AGRICULTURA

 https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpt1/t31.0-8/p960x960/12633505_747969125336857_4055070396726341218_o.jpg

“Como criar um Entorno Educativo no campo e na cidade?”
 Por  Carlos Lira
Em seu caminho de desenvolvimento o homem se retirou da natureza para poder desenvolver suas capacidades cognitivas. Chamamos estas capacidades: concentração ou pensar. Passamos então a nos perceber como separados do mundo, aqui estou eu e lá está meu entorno, o mundo. Dentro da educação, por exemplo, isto se evidência na separação das disciplinas, vemos ali o mundo fatiado e dividido em gavetas. Nos acostumamos a pensar e entender o mundo de maneira morta, pois qualquer membro, qualquer parte que seja separada de um todo, tende a morrer. No entanto a verdade é que não há separação, pois tudo que vive fora vive em mim. Em mim vive o mundo mineral, com todas as suas formas, estruturas e elementos. Em mim vive o reino vegetal, com todo o seu ritmo e processos vitais. Em mim vive o reino animal, com todos os seus impulsos e desejos.
Como (re)vivificar então nossos pensamentos, nossa vitalidade e sentimentos, e nosso querer?
"Durante toda a história os artistas sempre representaram o ser humano com os mais diversos tipos de materiais, pedra, madeira, palha de milho. Hoje chegamos a uma época na qual o próprio ser humano pode ser trabalhado -trabalhar em si-, modelado, formado. Uma grande ferramenta para isto é a escuta. Ouvir o outro, ouvir a natureza, ouvir as crianças. O quê o mundo me pede e diz?" (Marit Scheibe)
"Queremos com o CSA mais do que nos aproximarmos para as diversas trocas. Queremos romper e ir além do preço, queremos chegar no apreço, mudando o valor das relações." (Wagner Santos)
" Os membros são o que há de mais espiritual no ser humano. O espírito dos membros precisa despertar o espírito da cabeça.
Na cabeça a criança pequena dorme, ao mesmo tempo em que ela vive nos membros, que estão despertos e em plena atividade, no entanto sem consciência. Esta consciência precisa ser despertada gradativamente, por meio dos sentidos e de atividades com sentido até a idade adulta, e depois por toda a vida. A criança vê, mas não sabe o quê vê. Ela pega, mas não sabe o que isto significa.
Entre estes dois polos, está o sentir, que é um grande mistério, pois ele no fundo me traz a sensação - O que vive lá fora, vive também em mim." (Peter Guttenhöfer)
.
Palestras, fóruns de trabalho e discussão, exercícios. Apresentação das iniciativas de CSA, Educação e Terapia, tudo isto permeou estes três dias de encontro.
Não se trata de desmerecer, desfazer ou modificar o que existe, pelo contrário, precisamos ser gratos, pois isto faz parte do caminho de desenvolvimento da humanidade. Mas é preciso vontade e coragem para se religar àquilo que perdemos de vista, agora de forma consciente, ouvindo o que a natureza nos pede. É preciso ir adiante em um novo caminho, que precisa ser criado. Precisamos avançar, e isto levará tempo, da sexta feira santa em direção ao domingo de páscoa.
 
 
Fonte: https://www.facebook.com/notes/carlos-lira-trabambu/iii-encontro-pedagogia-e-agricultura-como-criar-um-entorno-educativo-no-campo-e-/747968855336884

Nenhum comentário:

Postar um comentário